Caminhoneiro é preso após enviar áudio e fotos alertando sobre blitz no RN

Um caminhoneiro de 47 anos foi preso nesta segunda-feira (7), depois de alertar colegas sobre uma fiscalização que a Polícia Rodoviária Federal fazia em Mossoró, na região Oeste potiguar. Ele foi flagrado com excesso de peso e aguardava um veículo para realizar o transbordo – a transferência de parte da carga de um caminhão para outro – quando publicou fotos e um áudio em um grupo de WhatsApp.

Segundo a PRF, a prisão aconteceu na BR-304, por volta das 6h, quando policiais rodoviários federais fiscalizavam um caminhão que transportava tijolos. Os agentes autuaram o motorista pelo excesso de peso da carga, que é infração de natureza média, com multa de R$ 385,52.

Depois da multa e do transbordo, o motorista poderia continuar a viagem. Porém, segundo a PRF, ele resolveu tirar fotos e enviar áudio a outros caminhoneiros, alertando sobre a fiscalização. De acordo com a corporação, os policiais perceberam o que ele estava fazendo e pediram o telefone, confirmando a situação.

“O homem foi preso pelo crime de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública, previsto no artigo 265 do Código Penal, e foi levado para a delegacia de Polícia Civil em Mossoró, tendo o telefone celular também apreendido. O crime é inafiançável, ficando a cargo de um juiz sua liberação”, informou a PRF.

Investigação

Em dezembro de 2017, a polícia do Rio Grande do Sul começou a indiciar quem usa aplicativo de celular para avisar onde há blitz de trânsito. Em Vacaria, na Serra Gaúcha, 17 pessoas foram indiciadas.

O delegado considerou que o grupo praticou um atentado contra o funcionamento de serviço de utilidade pública e isso é crime previsto no Código Penal, artigo 265. Desde então, a Polícia Civil gaúcha começou a adotar o mesmo critério para todos os casos em que se identifique a divulgação de blitz no trânsito.

Prisão no Ceará

Na quinta-feira (3), uma mulher foi presa no Ceará por alertar em rede social sobre a realização de uma blitz da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na cidade de Irauçuba, no interior do estado. De acordo com o delegado da Polícia Civil do município, André Firmino, a suspeita “atentou contra segurança e funcionamento do serviço público de segurança” quando informou a demais pessoas sobre a operação da Polícia Rodoviária.

VIA G1/RN

Deixe uma resposta